quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Natal

Senhoras e senhores, um feliz natal pra vocês e se cuidem. Surpresas estranhas... Dammit =p.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Peculiaridades

Bom dia senhoras e senhores n-leitores, e Rubens. Como me é costumeiro, vou começar falando como o tempo está hoje... aliás, isso não importa, pois, segundo umas coisas que andei lendo a percepção que temos do mundo é fruto de nossa imaginação e como vocês não estão aqui para ver, acreditariam em qualquer coisa que eu falasse, qualquer coisa é válida.
Está um frio de rachar os ossos, o vento deixa as extremidades dos lábios cortados e fazem os olhos arderem com frequência, as mãos não param de tremer, a pele entre os dedos começa a rachar e meu 4º podáctilo esquerdo está gangrenando de frio... (uma imagem e tanto, hein?)
Não está frio, não está quente, está fresco... É dia 21 de Dezembro e acordei com meu pai perguntando o que quero de natal. Eu sinceramente não sei o que quero de natal. Meu irmão só chega dia 24 e isso me incomoda. Falando em presentes, pessoas ausentes e datas... Ontem eu sonhei com os meninos todos reunidos pra jogar rpg. Só que não era um lugar qualquer, era um sobradinho, desses que tem 2 andares e térreo, sem jardim na frente e que a porta da rua n tem recuo. Ficava num largo com uma amendoeira bonita no meio, ou talvez uma mangueira, não conheço muitas árvores frondosas e Salvador não colabora. O lugar não era nem quente, nem frio... Contudo as pessoas usavam casacos leves.
Eu lembro de sair correndo atrás de algo ou alguém e persegui-lo por uma ladeira estreita apinhada de casebres, como o que encontrei meus amigos, por todos os lados. A perseguição terminou no largo e lá estava um sobrado vermelho, onde depois de entrar perseguindo o vulto, encontrei no segundo andar com todos, de Jó a Traquinas. E eles estavam reunidos numa sala que por algum motivo bizarro lembrava minha sala de aula da oitava série, dotada de fraca iluminação, com carteiras escolares mal posicionadas e enormes janelas que davam para a rua cobertas por papel-madeira. No canto esquerdo mais distante da sala (onde costumávamos sentar na 8ª série) havia uma mesa redonda de madeira tosca com 8 bancos em volta e os meninos estavam todos lá, jogando uma partida... narrava como era de praxe. No resto da sala haviam rostos menos conhecidos, mas que não eram de todo estranhos e havia uma mesa quadrada também de madeira mas sem bancos onde outro grupo jogava na parede oposta à nossa.
Não me lembro de ter visto o vulto, ou mesmo de lembrar dele depois que entrei na sala. Lembro apenas de me sentir bem. Aí como já era de se esperar o telefone tocou e eu acordei.

Bem, não sei por que exatamente tive vontade de descrever esse sonho, talvez por que a casa parecia muito com a de um personagem de um conto que escrevi aos 14... sei lá. Bem, é isso. Bons ventos pra todos vocês e se não nos falarmos até lá (mas acredito que falaremos) BOAS FESTAS! E um feliz natal.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Edição extraordinária de começo de férias.

Boa noite senhoras e senhores n-leitores. Hoje está uma noite fresca, o vento não sopra muito, contudo, não está quente. Estou de volta à casa materna, tirando poeira das coisas e exorcizando os fantasmas. E com vocês, tudo certinho?
Fim de ano foi realmente corrido, e deixou promessas que não poderão ser cumpridas em 2010. Tipo? Vejamos, depois de ponderar a respeito percebi que por mais que queira, é humanamente impossível cursar artes plásticas (assumindo claro o êxito no vestibular). Por quê? Bem, minha carga horária semestre que vem, supera de forma exorbitante a do semestre vigente, e além disso ela também é aleatória. Como? Pois vejam, o 7º semestre consiste como foco principal no rodízio de 5 estágios, que terão horários distintos, rodízios esses que terão duração máxima de 3 semanas. Tornando assim impossível assumir qualquer outro compromisso com horários fixos. Como estou com isso? Na merda. E agora? Não sei, sinceramente não sei... gostaria de saber, quem tiver sugestões, favor apresentar.

Bem, acho que fico por aqui, vou tentar reassumir minha frequência, já que me enchi do twitter.

Beijo e fiquem com os bons ventos.

domingo, 6 de dezembro de 2009

Namorinho de portão - Tom zé

Namorinho de portão,
Biscoito, café
Meu priminho, meu irmão
Conheço essa onda
Vou saltar da canoa
Já vi, já sei que a maré não é boa
É filme censurado e o quarteirão
Não vai ter outra distração

Eu agüento calado
Sapato, chapéu
O seu papo furado
Paris, lua-de-mel
A vovó no tricô
Chacrinha, novela
O blusão do vovô
Aquele tempo bom que já passou
E eu de "é", de "sim", de "foi"

Bom rapaz, direitinho
Desse jeito não tem mais
Bom rapaz, direitinho
Desse jeito não tem mais

O papai com cuidado já quer saber
Sobre o meu ordenado
Só pensa no futuro
E eu que ando tão duro
Não dou pra trás
Entro de dólar e tudo
Pra ele o mundo anda muito mal
Lá vem conselho, coisa e tal

Bom rapaz, direitinho
Desse jeito não tem mais
Bom rapaz, direitinho
Desse jeito não tem mais